icon clock h

Quarta-Feira, 17 de Fevereiro de 2021, 10h:50 | - A | + A

ARTE

O Humor que vem do Mato

Da Redação

Eduardo Butakka

O ano era 2012, eu e Thyago Mourão nos apresentaríamos pela primeira vez no Teatro da UFMT com nosso espetáculo “Segredos de Liquidificador”. Como se nossa ansiedade já não fosse suficiente, eis que chega um colega da produção e nos diz: “Nico e Lau estão na plateia para assistir vocês”. Na minha cabeça, isso soou mais como: “vocês que lutem”.

 

Ao final daquela sessão, conversamos pela primeira vez com Lioniê Vitório e J. Astrevo, ou Nico e Lau, já que eles mesmos já disseram que não se importam em atender pelos nomes de seus personagens mais icônicos. Era bom demais pra ser verdade: Nico e Lau elogiaram nosso trabalho como humoristas e ainda nos convidaram para participar do festival “Humor do Mato”. Era o nosso auge, chancelado pelos humoristas de maior expressão em Mato Grosso.

 

De lá pra cá, foram vários projetos juntos. Aquela dupla de humoristas, que eu só via na TV ou da plateia, mostrou-se os caras mais generosos que eu já havia conhecido no meio artístico. Lioniê e Justino são entusiastas da cena. Mesmo na pandemia, eles não jogaram a toalha. promeveram lives, teatros drive-in e foram na frente, desbravando para que outros pudessem trilhar o caminho incerto que é o de ser artista em nosso país.

 

Passados quase 10 anos, a nona edição Humor do Mato, festival de humor promovido por Lioniê e Justino e apadrinhado pelo mestre Chico Anysio, será um pouco diferente em 2021. No formato ao vivo, por meio de lives, Nico e Lau e convidados serão transmitidos para o público por meio das plataformas de redes sociais e streaming. Essa é a forma que encontraram para continuar realizando esse evento que fomenta a cena, abre espaço e promove o riso há anos. Até porque desistir nunca foi uma opção para esses artistas.

 

Essa edição é especial, pois vai homenagear os 45 anos de carreira Ataíde Arcoverde. Mato-grossense, conhecido nacionalmente por seus personagens cômicos no teatro, novelas e programas de humor e peças de teatro. Muitos conhecem Ataíde, poucos sabem que ele é daqui do interior, de Guiratinga. O ator intérprete de Salsichão no humorístico Zorra Total é um dos mais atuantes até hoje. Possui uma carreira que inspira artistas como eu, do Mato. Após ter ficado muito conhecido na Escolinha do Professor Raimundo, Ataíde é o queridinho do Multishow e está em quase todos os programas do canal: Treme-Treme, Xilindró, A Vila entre outros.

 

Certa vez, uma professora minha da faculdade me disse: "não há nada pior do que condenar um artista ao regional". Apesar de entender o que ela quis dizer, sobre a arte ser universal, eu não sei se acho isso tão ruim. Ataíde Arcoverde, por exemplo, é um desses artistas universais, mas que não abandona sua região. A cada filme que Ataíde estrela no cinema, é um pouco de Mato Grosso que ele leva consigo pras telonas. Porque não há como escapar da própria cultura. E isso não é ruim. Pelo contrário, são nossas raízes que compõem a estrutura do que somos. E Ataíde faz isso com primazia. Ataíde é micro, mas também é macro. É singular, mas também é plural. É regional, mas é também universal. Porque o riso é uma linguagem sem fronteiras.

 

É fato que ainda exista preconceito com tudo que é daqui, do Mato. Há um esforço considerável dos artistas da região para estimular o pensamento decolonial, para que ajude o público - e os próprios artistas - libertem-se da condição de subalternos, reconhecendo sua autenticidade cultural. Se eu contasse a vocês contas vezes eu precisei mentir que meu espetáculo era "de fora" para conseguir vender ingressos, vocês não iriam acreditar. E não, eu não me orgulho disso. Mas consegui vender muitos ingressos e encher a casa. Como diriam na linguagem dos memes: O golpe tá aí, cai quem quer.

 

É a segunda vez que eu dividirei o palco com Ataíde Arcoverde e dessa vez nos seus 45 anos de profissão, no exato momento em que ele protagoniza um documentário sobre sua carreira, produzido por Nico e Lau e que será lançado em breve. Sim, sou um privilegiado. Sou comediante em um estado que teve Liu Arruda e Luiz Carlos Ribeiro e que tem Lioniê Vitório, J. Astrevo Justino, André D’Lucca, Romeu Benedicto, Ivan Belém, Vital Siqueira e Ataíde Arcoverde. Pessoas que vieram antes, abrindo caminho para artistas como eu e outros que estão vindo. É bom demais fazer humor. É bom demais ser do Mato.

 

O 9º Humor do Mato acontece nos dias 20 e 21 de fevereiro às 19h ao vivo – e somente ao vivo  –  na fanpage @nicoelau e no canal do Youtube da dupla.

 

Eduardo Butakka é ator, diretor e professor de Teatro formado pela UnB e publicitário pela UFMT

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

J. Astrevo - 17/02/2021

Obrigadissimo pela referência elogiosa amigo. Você ocupa a cena com talento e perseverança. O caminho nunca acaba, quanto mais traçamos mais temos por desbravar. A arte é um chamado para construção coletiva, para a elevação. Vamos fazendo nosso humor, do Mato, da metrópole, do cosmo, da sobrevivência. Obrigado pela parceria de sempre.

1 comentários




Informe Publicitário






NEWSLETTER

Cadastre-se e fique por dentro dos últimos acontecimentos e relatos do pnbonline.