Caldeirão Político Quarta-Feira, 07 de Agosto de 2019, 16h:57 | - A | + A

Grampolândia

Sesp recebeu doação mas não sabe se placas foram devolvidas ao MP

Reportagem da jornalista Safira Campos, do PNBONLINE, informa que a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sesp) emitiu uma nota, nesta quarta-feira (07), afirmando que nunca possuiu qualquer tipo de sistema de interceptação telefônica mas confirmou que a doação das placas de escutas foi feita pelo MPE para o órgão de segurança do estado.

De acordo com o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE) o Termo de Cessão de Uso dos equipamentos foi assinado em 20 de abril de 2010, pelo então procurador-geral de Justiça Marcelo Ferra de Carvalho e pelo secretário-adjunto de Assuntos Estratégicos da Sejusp à época, Alexandre Bustamante dos Santos, durante o governo Blairo Maggi. 

A Sesp, atualmente chefiada por Bustamante, declarou que “está checando se foi realizada a devolução do equipamento ao Ministério Público do Estado, conforme citação feita pela Procuradoria Geral de Justiça”. 

Ainda de acordo com a nota, a Sesp e o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE) firmaram termo de convênio em 2010 para auxiliar investigações no interior do estado, uma vez que o sistema disponível à época não alcançava todo o território mato-grossense, mas que “não possui Sistema Guardião e tampouco, nunca possuiu qualquer outro sistema de interceptação telefônica”. 

De acordo com o MPE, os fatos vieram à tona na investigação instaurada pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO) Criminal, por determinação da Procuradoria-Geral de Justiça, após militares envolvidos no caso “grampolândia” afirmaram em juízo que as placas utilizadas para o cometimento de escutas ilegais pertenciam ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso.

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet