Economia Terça-Feira, 04 de Fevereiro de 2020, 16h:47 | - A | + A

DEFESA AGROPECUÁRIA

Cinco municípios de MT deixam de vacinar o rebanho contra febre aftosa

A meta do estado é conquistar o status de livre da doença até 2022

Suzi Bonfim com Assessoria

(Foto: Chico Valdiner / Governo do Estado de Mato

gado nelore - Chico Valdiner Governo do Estado.jpg

 

Vinte e quatro anos depois, cinco municípios na região noroeste de Mato Grosso não vão mais realizar a vacinação contra febre aftosa. O rebanho de  311.481 cabeças de gado de 850 propriedades espalhadas em todo o município de Rondolândia, parte dos municípios de Comodoro, Juína, Aripuanã e Colniza (na margem esquerda do Rios Roosevelt), realizaram o último processo de imunização na etapa de novembro de 2019.

 

Segundo o diretor técnico do Indea, Alison Cericatto, uma reunião em Manaus (AM) entre os estados que fazem parte da Zona 1, de acordo com a definição do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) -  Acre, Rondônia, Mato Grosso e Amazonas - vai definir os estados que vão deixar de vacinar contra a doença em busca do status de livre da febre aftosa sem vacinação para ampliar a comercialização no mercado internacional. Participam da reunião os responsáveis pela área de defesa animal dos estados, técnicos do Mapa e a iniciativa privada. 

 

“Mato Grosso e Rondônia têm interesse em adotar a medida porque que há uma grande movimentação entre os dois estados. Se ficarmos fora pode estrangular a economia da região” apontou o diretor técnico do Indea. Em março, Mato Grosso vai encaminhar o pedido formal à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O estado tem então, o prazo de um ano para ter a definição de livre da doença sem vacinação. O último foco de febre aftosa em Mato Grosso aconteceu em 1996. O estado é reconhecido como livre de febre aftosa com vacinação pelo organização internacional.  

 

Defesa sanitária animal

 

Com o alto índice de vacinação contra a febre aftosa na etapa de novembro de 2019, o governo de Mato Grosso espera ter até 2022 a definição de área livre da doença sem vacinação. O planejamento, neste sentido está sendo feito pela secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) junto ao Mapa. “Até 2022, toda a vacinação deverá ser retirada e isso propiciará novos mercados”, diz César Miranda, secretário de Desenvolvimento Econômico. 

 

Na etapa de novembro do ano passado, mais de 14,3 milhões de cabeças de gado com até 24 meses de idade foram vacinadas contra a febre aftosa, o que representa 99,86% do rebanho nesta faixa etária no Estado. Mato Grosso tem cerca de 30 milhões de cabeças de gado. Os números foram apresentados nesta segunda-feira (03.02) pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) e Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT).

 

A conquista de Mato Grosso representa a abertura de novos mercados como o Japão e Coreia que pagam melhor pela carne brasileira diante da garantia da sanidade do rebanho. "Livre de vacinação da febre aftosa significa bom desempenho no combate de outras doenças também", destacou po diretor técnico do Indea, Alison Cericatto.

 

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet