Economia Sábado, 29 de Junho de 2019, 08h:46 | - A | + A

ESTABILIDADE

Empresas de MT resistiram bem à recessão, aponta IBGE

Na contramão de realidade nacional, Mato Grosso apresentou aumento no número de empresas ativas após período recessivo.

Safira Campos

DA REDAÇÃO

Marcos Vergueiro/Secom-MT

CUIABÁ

Centro de Cuiabá

Segundo dados do Cadastro Central de Empresas (CEMPRE), divulgados esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Mato Grosso figurou bem entre os estados que conseguiram manter estabilidade no número de empresas ativas depois do período de recessão ocorrido entre meados de 2014 a 2016. De acordo com a publicação, enquanto a maior parte das unidades federativas apresentaram queda, Mato Grosso ampliou em 0,2% sua participação no número total de empresas do Brasil entre os anos de 2013 e 2017. 

O estudo mostra que em 2017 o estado tinha 97.380 empresas ativas, 932 unidades a mais que no período pré-recessivo de 2013, quando possuía 96.448. Desse modo, Mato Grosso se saiu melhor que a região Centro-Oeste como um todo, que apresentou queda de cerca de 1% em relação ao mesmo período. Cenário parecido se repetiu nacionalmente, já que em 2013 o país possuía 5.874.465 empresas ativas e chegou ao final de 2017 com apenas 5.525.547. 

Apesar disso, Mato Grosso perdeu postos de trabalho no período. Entre 2013 e 2017, cerca de 14 mil vagas de emprego foram fechadas. No Centro-Oeste, houve queda de 1,71%, menor que a nacional, que foi de 5,8%.  

Apesar de ter se saído melhor nesses quesitos, o mesmo não se reflete no salário do trabalhador: o estado registrou em 2017 uma média menor que a do Centro-Oeste e que do Brasil. Enquanto a média nacional é de 3 salários mínimos, a regional é de 3,6 e de Mato Grosso 2,9.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet