icon clock h

Quarta-Feira, 26 de Maio de 2021, 14h:40 | - A | + A

EMPREGO

Mato Grosso abre 1,9 mil vagas com carteira assinada em abril

Caged mostra que estado conseguiu resultado satisfatório em meio a mês mais letal da pandemia até aqui.

Safira Campos

Da Redação

Agência Brasil

Carteira de trabalho emprego desemprego fgts

 

Mato Grosso conseguiu apresentar um bom resultado de geração de empregos formais mesmo no mês em que a pandemia mais se intensificou no estado. É o que apontam os dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgados nesta quarta-feira (26.05) pela Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia. A publicação mostra que Mato Grosso teve saldo de 1.901 empregos gerados. 

 

O saldo do estado no mês é resultado de 31.263 admissões e 29.362 desligamentos. O resultado positivo de Mato Grosso vai de encontro ao observado nos estados de Amapá, Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe, que mais demitiram que encontraram durante abril. Na ponta do ranking com os maiores crescimentos estão estados como Goiás, Mato Grosso do Sul, Piauí e Maranhão, que demonstram recuperação das vagas anteriormente perdidas. 

 

Em relação aos últimos 12 meses, Mato Grosso também apresenta bons resultados. Isto acontece principalmente pelo efeito causado pela chegada da pandemia no ano passado, que afetou de maneira significativa a geração de empregos no país. A variação relativa entre maio de 2020 e abril de 2021 é de 7,42%. Foram 389.291 admissões e 336.049 desligamentos, o que resulta em um saldo de 53.242 vagas formais.

 

Cenário nacional não apresenta bons resultados 

 

Em termos nacionais, o Brasil criou no mês de abril 120.935 novos postos de trabalho com carteira assinada. Um aumento de 0,3% em relação ao total de empregos de março. E o total de novas vagas criadas em abril foi 31% menor que o total criado em março, quando foram registrados mais de 177 mil novos postos de trabalho formal. 

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou à Agência Brasil que a redução na criação de novos empregos, em abril, reflete o impacto da segunda onda da pandemia no mês passado. “Nós criamos 1 milhão de empregos nos últimos 4 meses de 2020 e já estamos nos aproximando de mais 1 milhão de novo nos primeiros quatro meses do ano. O ritmo de criação de emprego continua, apesar do impacto em abril, quando as mortes atingiram o pico da segunda onda”, disse. 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS




Informe Publicitário






NEWSLETTER

Cadastre-se e fique por dentro dos últimos acontecimentos e relatos do pnbonline.