icon clock h

Segunda-Feira, 21 de Julho de 2014, 17h:54 | - A | + A

Último acusado de chacina em Matupá vai a Júri Popular

Ericksen Vital

O ex-vereador Arlindo Capitani, último réu acusado de envolvimento no triplo assassinato conhecido como "Chacina de Matupá", vai enfrentar júri popular no próximo dia 28. O julgamento será presidido pela juíza da Comarca de Matupá (695 km ao Norte de Cuiabá), Cláudia Anffe Nunes da Cunha.  Capitani, ainda morador do município, está entre os 18 homens acusados de participarem da morte de Ivacir Garcia dos Santos, 31 anos, Arci Garcia dos Santos, 28 anos, e Osvaldo José Bachinan, 32 anos, em 23 de novembro de 1990. Os três mantiveram uma família refém em uma casa por mais de 15 horas. Na residência estavam duas mulheres, sendo que uma delas estava grávida, e quatro crianças. Devido ao crime, a Polícia Militar foi chamada para atender a ocorrência e cercou o local. Logo em seguida, populares também se juntaram em frente à casa. Os três homens foram rendidos e seriam levados de avião, pela Polícia Judiciária Civil, até Sinop. Mas revoltados com o caso, os populares e alguns policiais militares conseguiram deter os homens em um campo, próximo do aeroporto local. Os três apanharam e populares atearam fogo em seus corpos. Ainda vivos e com o corpo em chamas, eles tiveram que "pedir perdão a Deus" pelo crime. Toda a ação foi filmada por um cinegrafista da região. As imagens, consideradas chocantes, foram divulgadas em jornais nacionais e internacionais. As 18 pessoas, entre elas policiais militares, foram acusadas de participar da chacina. Passado quase 24 anos, a maior parte dos réus foi julgada inocente. Em 2011, Santo Caione, Alcindo Mayer, Donizete Bento dos Santos, Gerson Luiz Turcatto, Paulo Cezar Turcatto, Mauro Pereira Bueno e Airton José de Andrade foram absolvidos. Outros quatro também foram absolvidos no mesmo ano: Antonio Pereira Sobrinho, Enio Carlos Lacerda, Roberto Konrath, o "Robertão", e José Antônio Correia, o "Antônio Goiano". Em outro julgamento, mais três réus foram considerados inocentes: Elo Eidt, Faustino da Silva Rossi e Elywd Pereira da Silva. Condenados Valdemir Pereira Bueno foi absolvido de dois crimes em 2011, porém foi enquadrado como culpado no homicídio de Osvaldo José Bachmann e condenado a detenção por 8 anos em regime fechado. Ainda assim, pelo amparo da lei, ele ficou em liberdade e ainda tenta apelação. Outros dois foram julgados culpados: Luiz Alberto Donin, condenado a cinco anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial semi-aberto, e Mario Nicolau Schorr, também considerado culpado.

(Isa Sousa - Reportagem MídiaNews)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS




Informe Publicitário






NEWSLETTER

Cadastre-se e fique por dentro dos últimos acontecimentos e relatos do pnbonline.