Geral Segunda-Feira, 19 de Agosto de 2019, 16h:44 | - A | + A

SAÚDE

Retenção de macas começa a ser resolvida

Essa situação se agravou de tal maneira, que o próprio Governo do Estado precisou intervir para auxiliar na solução do problema.

Da Redação

Secom-MT

Samu

 

Um problema que se tornou crônico em unidades públicas de saúde dos municípios de Mato Grosso é a retenção das macas utilizadas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Essa situação se agravou de tal maneira, que o próprio Governo do Estado precisou intervir para auxiliar na solução do problema.

 

"O Estado quer entender as particularidades de cada município, a fim de tomar medidas, de forma harmônica, para que a situação não volte a ocorrer", afirmou o secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo.

 

A questão vem sendo debatida há uma semana, mas a realidade bate de frente com problemas estruturais das unidades. Segundo os representantes municipais, a retenção das macas do Samu é uma consequência da superlotação dos leitos de pronto atendimento. Nesta perspectiva, as gestões municipais e estadual decidiram por alinhar o desafogamento dos leitos das unidades e a elaboração de um novo fluxo de acesso para o Samu. Além disso, também serão realizadas reuniões com as áreas técnicas das secretarias municipais.

 

Em Cuiabá, a situação é ainda mais agravante do que em outros municípios. Prova disso, foi o que ocorreu neste mês de agosto no Pronto-Socorro da Capital. No último dia 7, quatro ambulâncias do Samu ficaram mais de três horas retidas na unidade, por falta de leitos disponíveis. Os veículos chegaram com pacientes para atendimento e não puderam deixar o hospital porque as macas das ambulâncias, utilizadas no socorro, não eram liberadas, pois em cima delas, é que os pacientes eram atendidos.

 

Sobre esse assunto, a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá informou que ficou acertado com a Secretaria de Estado de Saúde que o Pronto-Socorro não irá mais reter as macas, e que em contrapartida, o Samu deverá melhorar o protocolo dos pacientes, para não sobrecarregar a unidade de saúde. Neste caso os profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência terão que levar pacientes (que tenham o devido perfil) para UPAs e policlínicas do município. Ainda conforme a nota, as macas do Samu são retidas apenas quando todos os leitos do PS estão ocupados.

 

Infraestrutura

 

Para atender Cuiabá e Várzea Grande são 9 ambulâncias e, em casos anteriores, os veículos já chegaram a esperar mais de 14h nas unidades. Em média são atendidos pelos profissionais mais de 60 ocorrências por dia. O pronto-socorro de Cuiabá é referência para atendimento de casos de urgência e emergência e tem hoje 263 leitos.

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet